Notícias

FIRST: Uma experiência para vida toda

A oportunidade de participar da montagem e operação de um robô já seria marcante para qualquer jovem. Adicione o contato com outros competidores de diversas partes do mundo falando em outra língua e em uma das mais importantes competições de robótica. Tudo isso tornou a experiência no FIRST Robotics Competition (FRC) inesquecível para os alunos do Colégio Província de São Pedro.

O protótipo do robô Brazilian Buddy XX representou o Brasil na regional em Hudson Valley, no estado de NY, nos Estados Unidos, entre os dias 21 e 23 de março. A prova simulava a sobrevivência na representação de um terreno lunar aplicado no campo de jogo.

Para o mentor e ex-aluno Pablo Terry Gonçalves, que atuou como Coach do Drive Team, mesmo após ter participado várias vezes como aluno, nunca falta o que aprender como pessoa e como profissional.

– É uma oportunidade muito rica proporcionada aos jovens e estou feliz em passar um pouco da minha experiência para eles. É legal ver como eles crescem dentro da equipe, seguindo os mesmos passos que eu segui – disse.

Outro aprendizado fundamental é saber lidar com os resultados do campo.

– É importante eles aceitarem que nem sempre é possível vencer e que nem sempre tudo dá certo. Superar as adversidades é essencial – completou.

O estudante da turma 100, Pedro de Paula Fonseca, participou pela primei

– Consegui falar com pessoas de outros países e aprendi muito. O maior desafio é a questão da linguagem, porque alguns estrangeiros possuem um inglês mais difícil. Além disso, por conta da minha função, que era Safety Captain (integrante que fica no pit onde é feita a manutenção do robô), cada vez que tinha que falar com os juízes havia necessidade de transmitir muitas informações técnicas, o que foi desafiador – contou.

Catarina Ferraz Maulaz, da turma 91, foi pela segunda fez e valorizou principalmente o trabalho em equipe.

– O estilo do jogo foi bem diferente do ano passado. A união com a equipe e a integração com os outros times foi muito legal. Como eu tinha a missão de comandar o robô, sempre ficava bastante nervosa antes da partida, mas, na hora que começa, a gente se motiva e supera tudo – contou.

Foram dez partidas na fase classificatória com 5 vitórias e 5 derrotas.